Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Releases > Regional > Sudene e PNUD unem forças pelo PRDNE
Início do conteúdo da página
Planejamento

Sudene e PNUD unem forças pelo PRDNE

Escrito por Assessoria de Comunicação (Sudene) | Publicado: Quarta, 14 de Março de 2018, 17h51

Evento debateu projetos e alternativas para a construção do Plano de Desenvolvimento Regional do Nordeste.

20180314 seminario Sudene PNUD destaque

Foto: Ascom (Sudene)


Com foco na sistematização de conhecimento e experiências que contribuam para a formulação do Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE), a Sudene deu início hoje (14) a um seminário que reúne, durante dois dias, a equipe técnica da autarquia e representantes de instituições que atuam com planejamento de políticas públicas e desenvolvimento econômico e social. O seminário “Caminhos para o Desenvolvimento do Nordeste” é fruto de um acordo de cooperação técnica celebrado entre a superintendência e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD – ONU). Também estiveram presentes representantes do Tribunal de Contas da União (TCU), BNDES e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex – Brasil).

Na primeira etapa do evento, realizada nesta quarta-feira, a programação apresentou painéis técnicos que debateram questões relacionadas ao diagnóstico e planejamento para o Nordeste, além da formulação de ferramentas e metodologia de promoção e medição de ações para o desenvolvimento sustentável. A ideia é nivelar a percepção dos participantes sobre o tema para a condução das atividades de amanhã (15), ocasião em que os técnicos da Sudene participarão de oficinas sobre estes temas.

Na abertura do evento, o superintendente da Sudene, Marcelo Neves, reforçou o empenho da instituição em transformar o PRDNE em lei para pautar os futuros governantes dos estados da área de atuação da Sudene. Já o diretor de país do PNUD no Brasil, Didier Trebucq, classificou como um grande desafio superar os baixos índices de desenvolvimento humano que ainda são realidade em vários municípios do Nordeste. O economista defendeu que a solução deste impasse deve ser construída a partir de uma visão sistêmica que inclua, entre outras atividades, o investimento em políticas sociais, a geração de oportunidades para absorver a mão de obra local e novas alternativas para dinamizar a infraestrutura da região. “Também é importante estabelecer uma governança regional. O Nordeste precisa crescer acima da média nacional. É importante, para tanto, investir na capacidade institucional da Sudene para estabelecer estratégias e monitorar resultados de iniciativas como o PRDNE”, defendeu.

DEBATES

O primeiro debate do encontro apresentou as questões que fundamentaram a construção da Agenda 2030 e dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), pilares estabelecidos pela ONU para a construção de um plano universal com foco no desenvolvimento sustentável e inclusivo. Responsável pela exposição, o assessor técnico do PNUD, Haroldo Machado Filho, explicou que a visão múltipla desta proposta pretende trabalhar, de forma integrada, os desafios para as questões sociais, ambientais e econômicas presentes em regiões como o Nordeste.

O secretário de controle externo do Tribunal de Contas da União (TCU), Lincoln Lemos Maciel, deu continuidade aos debates apresentando a consolidação do Fisc Nordeste, relatório que aponta os problemas sociais e econômicos do Nordeste. Finalizando este momento, o diretor de planejamento da Sudene, Alexandre Gusmão, conduziu uma exposição sobre o papel da autarquia e a importância do PRDNE como guia para a definição das estratégias de desenvolvimento para a região. O gestor comentou que um dos grandes diferenciais deste projeto foi o esforço da Sudene em reunir instituições públicas para viabilizar as atividades do plano.

Na exposição seguinte, o seminário versou sobre a utilização de ferramentas e metodologias para medir ações de desenvolvimento sustentável. Coube à oficial sênior de Gestão de Projetos do PNUD, Lívia Nogueira, apresentar a experiência do programa com os processos do MAPS, RIA e IF ETC.

O último painel debruçou-se sobre instrumentos de aceleração dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável com foco em inovação. Os participantes debateram sobre as parcerias público-privadas e conheceram alguns projetos do PNUD voltados à agricultura familiar e agroecologia como ações para a pobreza.

LEVANTAMENTO

Durante o evento desta quarta-feira, a Sudene disponibilizou, ainda, um questionário online para que os participantes pudessem opinar sobre o conteúdo do Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste e quais poderiam ser os modelos de governança do projeto. Parte das perguntas apresentou uma lista de opções para que os respondentes elegessem os temas prioritários que devem ser analisados pela autarquia na construção do PRDNE e quais os principais entraves ao desenvolvimento regional sustentável.

Segundo o engenheiro ambiental da superintendência, Renato Arruda, as informações colhidas através da plataforma subsidiarão a formulação do plano. A ideia é que a autarquia disponibilize futuramente a mesma ferramenta para colher as impressões da sociedade civil sobre os temas.

SAIBA MAIS

A Agenda 2030 foi proposta durante reunião na Cúpula das Nações Unidas em setembro de 2015. Durante o encontro, mais de 150 líderes mundiais elegeram 17 objetivos para combater a pobreza, promover a prosperidade e proteger o meio ambiente. Construído um entendimento comum sobre a superação destes desafios, os governantes comprometeram-se a construir projetos de longo prazo para atingir, até o ano-limite estabelecido, os índices acordados.

Representante-residente assistente e Coordenadora da área Programática do PNUD, Maristela Baioni avaliou que a importância do evento promovido pela Sudene reside justamente na discussão desta agenda de longo prazo. “Ela traz os temas considerados mais importantes pelo colegiado de nações e pode ser claramente absorvida pelo planejamento regional, sendo instrumento para que se possa monitorá-lo através de indicadores e metas. É um grande roteiro que, se absorvido pelos instrumentos locais, é capaz de possibilitar, em 2030, um Nordeste mais sustentável e inclusivo”, disse.

>>> Confira o boletim em áudio da matéria:

 

Assessoria de Comunicação Social e Marketing Institucional
Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste
(81) 2102-2102
ascom@sudene.gov.br
Siga nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram | YouTube | Flickr | Soundcloud

Fim do conteúdo da página