Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Sustentabilidade > Sudene impulsiona produção de energia eólica
Início do conteúdo da página
Instrumentos de ação

Sudene impulsiona produção de energia eólica

Criado: Terça, 20 de Fevereiro de 2018, 14h10

O Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE) e os incentivos fiscais atraem parques eólicos para a Região.

Foto de hélices de uma torre eólica girando. Há o céu em tons de azul no fundo.Foto: freepik.com

O Brasil subiu uma posição no ranking mundial de produção de energia eólica, ultrapassando o Canadá e ocupando a oitava posição, com capacidade instalada de 12,76 GW. A informação consta no Global Wind Statistic 2017, documento anual com dados mundiais de energia eólica produzido pelo Global Wind Energy Council (GWEC). Na área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste, 20 projetos de energia eólica estão sendo instalados através de financiamento do FDNE. Eles representam investimentos da ordem de R$ 2,5 bilhões, dos quais o Fundo participa com R$ 1,3 bilhão. A capacidade de geração dos parques é de 570.600 kw.

Os incentivos fiscais administrados pela Autarquia foram responsáveis pela atração de 51 parques eólicos na área de atuação da Superintendência, entre os anos de 2014 e 2017. Os pleitos estão distribuídos entre os estados de Pernambuco (19), Piauí (12), Ceará (10), Rio Grande do Norte (09) e Paraíba (01).Segundo informações das empresas que administram os projetos de energia eólica, foram investidos na região R$ 6.132.630.823,35.

Segundo dados publicados em Informativo da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), cerca de 18 milhões de residências foram abastecidas por energia eólica no último ano. Foram destacados, ainda, alguns recordes relacionados ao abastecimento, entre eles um registrado no dia 14 de setembro de 2017, quando 64% da energia consumida no Nordeste vieram das eólicas. Ainda de acordo com a publicação, a energia eólica no Brasil contribuiu para evitar a emissão de 20 milhões de toneladas de CO2. A ABEEólica, levando em consideração os contratos já assinados, projeta que até 2023 serão mais 253 parques eólicos. Em relação à criação de emprego, a Associação afirma que cada MW instalado gera 15 postos de trabalho. “No total acumulado, são 180 mil postos até o momento” registrados no Brasil.

Ouça o boletim:

Assessoria de Comunicação Social e Marketing Institucional
Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste
(81) 2102-2102
ascom@sudene.gov.br
Siga nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram | YouTube | Flickr | Soundcloud

Fim do conteúdo da página